• CONTENT

Carreira

16.12.2020

Nota de Esclarecimento - Projeto de Lei Complementar nº 19/2020

NOTA DE ESCLARECIMENTO

 

A Associação dos Oficiais Policiais e Bombeiros Militares do Estado do Paraná, vem perante aos seus associados esclarecer sobre a tramitação e aprovação do Projeto de Lei Complementar nº 19/2020, o qual teve como objeto normas de finanças públicas, qualidade, reponsabilidade, gestão fiscal, fundo de recuperação e estabilização fiscal. Porém estão inseridos neste contexto graves ameaças e prejuízos à carreira dos Militares Estaduais, pois o projeto altera de forma drástica as Leis de Promoção de Oficiais e de Praças, bem como as regras para concessão de Progressões.

 

O PLC 19/20 traz a clara intenção de descontruir as carreiras dos servidores públicos e dos militares estaduais, uma vez que o projeto desconsidera os requisitos estabelecidos em todas as leis que regulamentam as promoções e progressões de quadros específicos, passando a exigir para tal:

 

  1. Disponibilidade orçamentária e financeira declarada e autorizada por Decreto Governamental;
  2. Efeitos funcionais e financeiros percebidos somente a partir de Decreto Governamental autorizando o ato de promoção e progressão, deixando a concessão vinculada à vontade e deliberação do governante;
  3. Extinção da possibilidade de recebimento de efeitos retroativos, tanto funcionais quanto financeiros, trazendo sérios prejuízos aos direitos assegurados em leis anteriores.

 

Desta forma são evidentes os impactos danosos e o comprometimento à evolução profissional daqueles que se dedicam e se aprimoram para bem servir e proteger a sociedade paranaense, pelos seguintes motivos:

 

  1. Ao ser preterida uma promoção no devido tempo, o Militar Estadual terá enorme prejuízo na sua antiguidade, a exemplo: na possibilidade de o governo protelar a promoção ou progressão por seis meses, este tempo estará perdido e deixa de ser computado para a próxima forma de desenvolvimento na carreira;
  2. O atraso na concessão do direito a promoção ou progressão, sem reconhecer a retroatividade do tempo e do direto adquirido, fatalmente coincidirá com a promoção de um Militar Estadual mais moderno, gerando grande injustiça e desmotivação pelos critérios de antiguidade;
  3. Havendo atraso na concessão do direito à progressão, invariavelmente haverá repercussão na contagem dos tempos subsequentes do Militar Estadual, impossibilitando-se assim que a última referência horizontal – nível 11 (progressão) seja de fato alcançada.

 

Desde a apresentação da proposta a ASSOFEPAR, atuando de forma conjunta e estratégica com as outras associações da área de segurança pública, buscou o diálogo, articulação e mobilização, trabalhando nas propostas das emendas que foram apresentadas, com o propósito de evitar ou minimizar estes prejuízos. Porém apesar destas mobilizações, as emendas foram rejeitadas e o projeto aprovado sem alteração.

 

Apesar desta situação desfavorável, continuamos abertos e buscando a discussão tanto no poder Executivo como no Legislativo, visando minimizar ou recuperar os direitos ameaçados ou prejudicados por este e outros projetos apresentados e/ou aprovados.

 

Reiteramos o nosso compromisso de continuarmos atuando de forma estratégica, coordenada e persistente na defesa dos direitos de nossos associados, buscando o prometido pelo governo em seu discurso de posse, o respeito, a consideração e a valorização das carreiras e dos integrantes da segurança pública.

 

Somos Oficiais. Somos ASSOFEPAR.

                                     

 

Curitiba, 15 de dezembro de 2020.

 

 

Cel. QOPM Carlos Eduardo Rodrigues Assunção

Presidente da ASSOFEPAR

 

 

 

 

 

 

Indicar PARA UM AMIGO
Comentários
Deixe seu comentário

INDIQUE UM AMIGO
Ops,
essa matéria é restrita para associados.
Faça seu login para ler
associe-se esqueci minha senha